Contraste |
| |

    Galeria de Arte da Escola Guignard recebe a exposição “Hiato”, do artista Marco Tulio Resende

    “Eu acho que estamos vivendo um momento de angústia, de estar perdido. O ser humano está meio sem caminho. E isso não é só na arte, mas na política e na economia”, é o que pensa Marco Tulio Resende, artista plástico cuja exposição “Hiato” vai estar aberta ao público, entre os dias 21 de novembro e 16 de dezembro, na Galeria de Arte da Escola Guignard. 

    Com curadoria de Augusto Fonseca, “Hiato” é composta por uma série de interferências em desenho e pintura sobre reproduções de uma mesma fotografia, de uma criança com feição de choro, tristeza e medo. Imagens que estiveram guardadas no atelier do artista por mais de uma década. 

    Há cerca de 15 anos, Marco Tulio encontrou uma caçamba de lixo com uma pilha de descartes de uma gráfica. Como tem o costume de coletar e colecionar materiais diversos, o artista decidiu levá-los para casa, com o intuito de fazer uma colagem, mas apenas durante a pandemia da covid-19, no fim de 2020, voltou a mexer neles. 

    “Fui revisitar os meus guardados, peguei as imagens e achei a cara do tempo que estamos vivendo”, diz, referindo-se ao momento de turbulência passado pelo Brasil e pelo mundo nos últimos anos.   

    O nome da exposição diz respeito a um tempo de falhas, lacunas e intervalos impostos pela pandemia, mas também por outras questões que nos atravessam, como a explosão digital, explica Marco Tulio. “Somos seres pendulares. Uma hora, estamos num extremo, depois ele volta, há uma espécie de hiato, para depois subir de novo e ter uma nova expressão”, diz. 

    A partir das pinceladas, riscos e demais interferências, o artista tanto cobre o rosto da criança quanto deixa rastros do que havia ali inicialmente, aproximando essas figuras disformes a trabalhos anteriores. Embora as obras, cerca de 300 peças, partam de um mesmo suporte, cada uma delas expressa suas particularidades, com elementos visuais e padrões cromáticos próprios, e têm como ponto de partida a memória.

    "É o princípio do meu trabalho. Não a memória afetiva, mas num sentido mais amplo. Penso nela como o que te faz diferente no mundo. Eu vejo a memória como o componente para que nós tenhamos individualidade”, afirma o artista, que define seu repertório como um "alfabeto visual". 

    Quando produziu as obras que compõem "Hiato", Marco Tulio não pensava que ela sairia de seu atelier. No entanto, decidiu expor ao ser convidado pela Escola Guinard para ocupar sua Galeria de Arte. 

    Uma discussão que o artista plástico deseja fomentar com sua nova exposição é a respeito do processo de produção artística. Para ele, mais do que o produto, importa o caminho que levou a ele, elemento fundamental para a criação de suas obras, especialmente estas, concebidas em meio à inquietude e à aflição. 

    A abertura de "Hiato" acontece no próximo sábado, dia 19, das 11h às 14h. A exposição tem classificação livre.

    O artista 

    Marco Tulio Resende trabalha com diferentes suportes, da pintura ao desenho. Ele participa de exposições individuais ou coletivas desde a década de 1970, bem como de residências artísticas, salões, mostras e bienais. 

    Graduado em Artes Plásticas pela Escola Guignard, na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), e mestre em Artes pela The School of the Art Institute of Chicago, o artista possui livros, catálogos e artigos publicados, além de obras em acervos museológicos, espaços públicos de memória, coleções privadas nacionais e internacionais. 

    Em 1979, ingressou como professor na Escola Guignard, onde permaneceu até 2019. Também desenvolveu ações como artista visitante na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade de São Paulo (USP) e Sheffield Hallam University, na Inglaterra, a convite do British Council.

    Serviço:

    Exposição "Hiato"

    21 de novembro a 16 de dezembro de 2022, de 9h às 20h

    Galeria de Arte da Escola Guignard; rua Ascânio Burlamarque, 540 Mangabeiras, Belo Horizonte

    Elias Fernandes - ASCOM/UEMG

    Guilherme Guimarães - Estagiário ASCOM/UEMG

     

    © 2022 UEMG